Publicidade

Eduardo Paím e o legado aos jovens

Publicidade

É um nome já registado na história da música popular angolana, é a certeza que as próximas gerações falarão e vão estudar sobre Eduardo Paím, o artista que deu um impulso na kizomba que hoje houve-se pelos cinco cantos do mundo e já temos povos de outras línguas a abraçarem o estilo para os seus álbuns.

A sua paixão pela música nasce quando recebe de sua mãe, Maria de Sousa Paím, uma guitarra de madeira com cordas metálicas, parecia que já estava predestinado para ser o grande músico que se tornou. Nos anos 70, um adolescente na altura, a sua inspiração era o seu primo Prado Paím, o primeiro músico angolano a ganhar um disco de ouro.

Publicidade

A partir dessa época, o gosto pela música foi crescendo e Eduardo Paím nunca mais se desgrudou da arte, mesmo mudando de cidade em cidade, para conciliar os estudos, levou a musica sempre consigo. A sua amizade com o crítico musical Jomo Fortunato, nos anos 80, fortaleceu ainda mais os seus dotes como artista.

Eduardo Paím e o legado aos jovens

O que aprendeu como líder dos SOS e colaborando com a Rádio Nacional de Angola, contribuiu muito na sua explosão como artista a solo no seu país e em Portugal, quando decidiu emigrar, em 1988 e a partir de 1990 já era uns dos artistas angolanos mais queridos naquele país, fazendo expandir a kizomba, somente conhecida em Angola.

Foi nesta fase que chegou a receber o tão desejado disco de ouro pelo impacto dos seus álbuns “Do Kayaya” e “Kambuengo“. As suas músicas estavam nos lugares cimeiros das mais tocadas em rádios portuguesas.

A celebração dos seus 40 anos de carreira em 2016 só veio edificar o estatuto de “General da Música Angolana” ou simplesmente “General Kambuengo” uma alcunha que surgiu em meados dos anos 90, no seu grande show na Feira Popular, celebrando o seu regresso à Angola, o hit “Rosa Baila” estava nos ouvidos de todo o país. O seu videoclipe estava entre os mais trabalhados e via-se jovens seguidores seus que hoje são monstros no music hall angolano, como o Maya Cool, um ícone nacional, Simons Massini que fez historia com os N’sex Love ao lado de Walter Ananaz e o irmão mais novo Nelo Paím, um dos melhores instrumentistas da actualidade.

Eduardo Paím e o legado aos jovens

Hoje em dia, a kizomba, um estilo aperfeiçoado por si, está na lista de danças para o ensino escolar no exterior, há sembas cantados e tocados por si que servem de ensaios para danças folclóricas e jovens de hoje usam para representações devido ao ritmo e a história das letras.

O seu legado já está transmitido aos jovens. C4 Pedro, um dos artistas angolanos com mais seguidores no Instagram não realiza um grande show sem fazer jus a Eduardo Paím.

Eduardo Paím e o legado aos jovens

Gostarias de escrever para a Chocolate? Aceitamos sempre colaborações com convidados da nossa comunidade e estamos sempre à procura de novos colaboradores. Entra em contacto connosco e vamos discutir as tuas ideias.

Eduardo Paím e o legado aos jovens
Publicidade
Publicidade