Publicidade

A grande entrevista com o jovem escritor Evandro Pedro: “PROTOCOLO NÃO, DISSE ELA”

Publicidade

“O meu encontro com a literatura surgiu em situações bastante reflexivas e muitas delas tristes…”

O jovem escritor angolano, Evandro de Sousa Pedro, nascido na cidade de Luanda, anuncia o lançamento da sua primeira obra literária designada “PROTOCOLO NÃO, DISSE ELA”, previsto para dia 26 de Novembro do ano corrente.

Publicidade
A grande entrevista com o jovem escritor Evandro Pedro: “PROTOCOLO NÃO, DISSE ELA”

O jovem músico, escritor e estudante universitário é um apaixonado sonhador com muito ainda por realizar – e numa descontraída conversa com a revista Chocolate falou-nos da sua primeira obra e da sua paixão pela literatura.

Acompanhe!

C.H: De que forma aconteceu o seu encontro com a literatura, ou como nasceu esta a paixão?

“O meu encontro com a literatura surgiu em situações bastante reflexivas e muitas delas tristes, que escrevia e tornava públicas em redes sociais, consciente de que talvez não fosse o único a pensar de tal forma e a precisar de tais palavras.”

C.H: O que mais o encantou na escrita?

“O que me encantou na escrita foi o facto de poder fundir conhecimento em diversas áreas para falar de algo específico. É como misturar muitos ingredientes para uma refeição, cada ingrediente tem o seu nome, mas a refeição, mesmo com todos os ingredientes, tem um nome só.”

C.H: Quais são as suas influências na literatura a nível nacional e internacional? Por quê?

“As minhas influências são: em Angola, o escritor Pepetela e internacionais, C. S Lewis e Mia Couto. São todos muito inspiradores, mas identifico-me principalmente com C. S Lewis.”

C.H: Fale-nos da sua obra literária.

“Protocolo Não, Disse ela é a minha primeira obra. E quanto ao número de páginas, posso apenas avançar que tem mais de 150.”

C.H: Qual é o seu género?

“Enquadra-se no género Drama.”

C.H: Quem ou qual foi a sua inspiração para a escrever?

“A inspiração surgiu de uma frequente onda de posts que legitimavam estereótipos relacionais irrelevantes e como a onda crescia, decidi então dar ao meu público um pouco da minha mente a respeito do assunto.”

C.H: Há quanto tempo tem vindo a escrever? Como foi este processo?

“Escrevo já desde 2012, mas passei a levar um pouco mais a sério desde 2016, por influência de 2 amigos, Emanuel Sebastião e Lizz António,  com quem passei a escrever poemas. E no mesmo ano outras 3 pessoas juntaram-se: Carlos Astro, Íris Silva e Linda Massoxi,  formámos um grupo ao qual chamamos Amadores e diariamente enchíamos o Facebook de poemas e textos reflexivos.”

C.H: Por quê este título?

“Por ser um título incomum e que à partida causa algum questionamento, mas que responde à curiosidade desde o começo até ao fim.”

C.H: O que é que ela retrata?

“Retrata a história de Aline, uma moça cujo critério de selecção se baseia em estereótipos que olham para o menos essencial e eleva o mais superficial.”

C.H: O que é que as pessoas vão poder encontrar nesta que é a sua primeira obra?

“Amizade, amor, paixão, razão, risos e choros, consciência, orientação, instrução, esclarecimento – e o melhor: palavras que conduzem à palavra da vida.”

C.H: Que significa tem este livro para si?

“Esse livro significa para mim uma resposta à chamada do resgate dos valores espirituais, morais e cívicos. É uma ferramenta que usarei para fazer da minha vida um proveito para a sociedade, para a minha geração.”

C.H: Mencione uma frase ou um parágrafo do seu livro com que mais se identifica.

“A formosura em si é um entretenimento para os olhos e o anseio dos olhos pela beleza estética é insaciável. O amor resulta de algo mais interior do que exterior.

A formosura de uma mulher ou homem não são suficientes para gerar amor. Ela pode ser um objecto de vaidade e satisfação da carne.

Proveito algum há em ter uma pessoa extremamente formosa se não a amarmos. Ainda que domine toda a arte da sedução e arranque suspiros só de olhar, é vã tanta formosura se da pessoa não pudermos desfrutar nada mais além da cama.”

A grande entrevista com o jovem escritor Evandro Pedro: “PROTOCOLO NÃO, DISSE ELA”

Gostarias de escrever para a Chocolate? Aceitamos sempre colaborações com convidados da nossa comunidade e estamos sempre à procura de novos colaboradores. Entra em contacto connosco e vamos discutir as tuas ideias.

A grande entrevista com o jovem escritor Evandro Pedro: “PROTOCOLO NÃO, DISSE ELA”
Publicidade
Publicidade

Últimas de Arte & Cultura

Publicidade