Publicidade

(Des)Construindo a moda, um estereótipo de cada vez

Pode não saber quem é Edward Enninful, mas já ouviu de certeza falar daquele que fez história na Moda como o primeiro editor-chefe masculino da revista Vogue do Reino Unido. Pois bem, foi ele, Enninful.

Mas o inédito não se fica pelo género. Além de homem, Edward é negro e homossexual, o que para quem conhece a conceituada revista, sabe o quão relevantes são estes dados, tendo em conta o seu elevado grau de conservadorismo e tradicionalismo. Para completar, Edward Enninful não é jornalista, mas sim stylist, o que também é um feito sem precedentes no que toca ao cobiçado cargo nesta revista.

Publicidade
(Des)Construindo a moda, um estereótipo de cada vez

Desde que assumiu as rédeas da Vogue UK (Reino Unido) em Agosto de 2017, sucedendo Alexandra Shulman, o stylist quebrou os códigos também elitistas, para defender uma visão mais inclusiva da moda, transcendendo a cor da pele, religião, corpo, orientação sexual ou antecedentes sociais, tudo com uma naturalidade e um toque artístico que força a admiração, mesmo de quem não concorda com os seus ideais mais liberais.

E na sua primeira edição enquanto chefe, Edward fez imediatamente ver qual seria a linha editorial que seguiria daí em diante, escolhendo uma capa que dizia “Grã-Bretanha” sob o retrato de Adwoa Aboah, modelo e activista negra, com um turbante na cabeça e pálpebras de cor turquesa. Para muitos foi uma afronta, para outros tantos uma lufada de ar fresco, mas para todos uma decisão ousada e memorável.

(Des)Construindo a moda, um estereótipo de cada vez

Dos seus muitos actos ‘’memoráveis’’ enquanto Editor-Chefe, temos a edição especial de Setembro de 2018, por exemplo, com Rihanna na capa – a primeira mulher negra a ser capa da edição mais importante do ano!

Do Gana para o mundo

Nascido no Gana, emigrou com os pais e irmãos para Londres ainda em criança.

Do pai militar herdou o gosto pela ordem e organização. Com a mãe costureira aprendeu a criar, construir e personalizar peças.

Foi no Metro de Londres que foi descoberto pelo estilista Simon Foxton, que o encorajou a ser modelo e foi assim que a sua carreira começou. Na época, Edward Enninful tinha 16 anos.

Mais tarde, tornou-se seu assistente, na revista de Moda i-D, que depois o contratou como editor de Moda, com apenas 18 anos.

(Des)Construindo a moda, um estereótipo de cada vez

E foi nessa revista que cresceu e trabalhou por 20 anos.

Tornou-se colaborador da Vogue Itália no início dos anos 2000, onde o seu estilo e visão conquistaram a editora-chefe, a carismática Franca Sozzani, e o fotógrafo Steven Meisel, com quem ele assinou em 2008 um dos números mais significativos de toda a sua carreira: o “Black Issue“. Uma edição apenas com manequins negros.

Em apenas três dias, venderam todas as revistas e tiveram de reimprimir 40.000 cópias adicionais.

O sucesso levou-o à Vogue US (Estados Unidos), com Anna Wintour e Grace Coddington. Depois, na W Magazine, tornou-se editor de moda entre 2011 e 2017, voltando a chocar com as fotos de Kate Moss como freira ou Nicki Minaj como cortesã do século XVIII.

Próximo Anna Wintour?

É a pergunta mais recorrente dos últimos tempos. Se será Edward Enninful o sucessor ao trono ninguém sabe, mas a verdade é que em dois anos como chefe, Enninful já conseguiu revolucionar uma revista que já existe há um século e que raramente saiu da sua ‘’bolha’’.

Trouxe inclusão, frescura, inovação, sem nunca deixar de fora os ingredientes principais: criatividade e arte ao serviço da Moda.

“Edward Enninful tem uma visão totalmente inata do que a moda deveria ser, ele vive com o seu coração, sem desejo de agradar ou obedecer a um statement“, Christian Louboutin.

(Des)Construindo a moda, um estereótipo de cada vez
Publicidade
Publicidade
Publicidade