Publicidade

Precisa de carinho constante? Pode estar a lutar com a permanência emocional

Publicidade

A falta de permanência emocional pode levá-lo ao risco de se sentir não amado grande parte do tempo e também pode funcionar como um terreno fértil para problemas em relacionamentos românticos.

Precisa de carinho constante? Pode estar a lutar com a permanência emocional

A permanência emocional é o oposto da impermanência emocional, é a ausência da permanência motivacional. Possuir permanência emocional é saber que o seu parceiro o ama, apesar de não estar por perto ou de não estar a demostrar afecto no momento. 

Publicidade

É semelhante ao termo “permanência do objecto”, o estado em que mesmo não vendo o mesmo, temos a certeza de que ele existe, como por exemplo, certo objecto escondido no bolso das calças, mesmo não vendo, sabemos que esta lá.

“As pessoas que lutam com a permanência emocional muitas vezes viveram relacionamentos instáveis ​​​​no passado, que podem levar à insegurança e ao medo do abandono”, diz Amelia Kelley, PHD, terapeuta de relacionamentos.

A falta de permanência emocional desencadeia o risco de se sentir mal-amado em grande parte do tempo, o que abre caminho para relacionamentos românticos instáveis e problemáticos, além de implicar negativamente na capacidade da pessoa lidar e resolver desentendimentos de modo saudável. Por exemplo, achar que não está a receber a atenção ou o carinho que merece.

Dito isto, é fundamental construir e fortificar a sua permanência emocional de forma a sentir-se emocionalmente estável e a melhorar os seus relacionamentos. A boa noticia? É possível! Mas antes, é fundamental saber se está a viver a permanência emocional, portanto veja estes 3 sinais:

1. Precisa de atenção constante para se sentir importante

É natural desejar atenção, afinal, queremos ser importantes na vida de alguém. Mas a falta de permanência emocional pode fazer com que se sinta inseguro quando não está constantemente a ouvir que é amado.

Este facto desencadeia um conjunto de emoções que fazem a pessoa sentir-se desnecessariamente insegura e não amada. Além de insistir em certificar-se constantemente de que o seu parceiro o ama, se é importante ou se não está com raiva e ressentimento após um problema ou desentendimento.

2. Nos maus momentos, não consegue  lembrar-se de se ter sentido amado

Quando o seu parceiro não está a mostrar afeição, não só as sente mal-amado naquele momento, como também não consegue lembrar-se de se ter sentido amado. “Internamente, pode ser difícil lembrar de um sentimento diferente do imediato que está a ser experimentado”, diz a Dra. Kelley. 

“Por exemplo, se ansiedade ou medo é a emoção presente que está a sentir, há uma incapacidade em lembrar da alegria outrora presente. É como se a ideia desta emoção estivesse lá, mas faltasse a crença de que ela realmente pode existir.”

3. O conflito parece catastrófico para si

Outro sinal é sentir emoções negativas de forma intensa e não conseguir lidar com os problemas que surgem. “Para eles, mesmo uma discussão ocasional , desacordo ou conflito, pode parecer o fim de um relacionamento”, diz especialista.

Se se identificou com um ou mais dos pontos acima, acompanhe 3 dicas úteis para construir o seu senso de permanência emocional:

1. Fale sobre isso com o seu parceiro

Deixar o seu parceiro saber ajuda-o a entender o seu problema e saber o que precisa de fazer. De acordo com a Dra. Kelley, a comunicação aberta é mais importante. “Isso permite a verificação de factos, o diálogo aberto e o reforço das necessidades a serem atendidas”, diz ela.

2. Faça terapia ou vá a um grupo de apoio

A terapia, sozinho ou com o parceiro, pode ser a chave para desenvolver uma permanência emocional mais forte. “Durante as sessões individuais ou em grupo, parceiros e terapeutas podem trabalhar com sentimentos de abandono e medo, fortalecer relacionamentos e construir um senso de confiança”, diz a especialista.

A Dra. Kelley recomenda terapia comportamental dialética (DBT), em particular, pois inclui um módulo sobre estratégias e ferramentas de eficácia interpessoal. Mas se essa opção não estiver disponível no seu caso, considere os livros de exercícios de DBT.

3. Ajuste a sua perspectiva

Por fim, lembre-se de que duas coisas podem ser verdadeiras ao mesmo tempo: o seu parceiro pode estar chateado consigo e amá-lo simultaneamente. 

“Parceiros são seres complexos que podem experimentar emoções diferentes”, diz especialista. “Além disso, os sentimentos deles nem sempre se concentram em si.”

A Dra. Kelley também sugere que se lembre das principais verdades em momentos de dúvida: ter alguma distância entre os dois não significa que está a ser abandonado; e o simples facto de não conseguir sentir o amor não significa que ele não existe.

Gostarias de escrever para a Chocolate? Aceitamos sempre colaborações com convidados da nossa comunidade e estamos sempre à procura de novos colaboradores. Entra em contacto connosco e vamos discutir as tuas ideias.

Precisa de carinho constante? Pode estar a lutar com a permanência emocional
Publicidade
Publicidade