Publicidade

Adriana Brito esclarece acerca do procedimento terapêutico de aromaterapia

Publicidade

Aromaterapia, como o próprio nome indica, é um tratamento de aromas e terapia à base de sabores e aromas. “Estamos a falar de óleos essenciais para uma terapia”, explica a aromaterapeuta Adriana de Brito.

Adriana Brito esclarece acerca do procedimento terapêutico de aromaterapia

“A ciência utiliza óleos essenciais com extratos puros de plantas. O que é que isto significa? A planta (as suas raízes, caule, casca, folha, fruto) e todas as propriedades existentes em cada uma dessas partes da planta são extraídas de várias fontes diferentes, que são unificadas com probiótico ou óleo essencial de forma pura, concentrada para a sua utilização em tratamentos”.

Publicidade

Os produtos são feitos com um ingrediente base, que normalmente é um óleo vegetal ou um creme neutro. Adriana esclarece que a finalidade é servir “para relaxamento e tratamento de dores, massagens e drenagem linfática”.

“Os produtos são utilizados em difusores de origem ambiente, em colares difusores, em difusores eléctricos, ou simplesmente num frasquinho e cheirar sem o contacto directo com a pele. Não são aplicados directamente na pele por serem de difícil absorção. O produto é muito potente e bastante concentrado, qualquer resíduo em cima da pele exposta, por exemplo, ao sol, pode causar sensibilidade, deste modo não deve de maneira nenhuma ser ingerido. Nem sequer colocar uma gota no ouvido, no fígado, no nariz ou no canto da boca”.

“O profissional aromaterapeuta não cura doenças”, como refere Adriana, “mas previne-as, através de tratamentos paliativoa em relação às suas causas. Por exemplo dores de cabeça constantes, insónia, dificuldade para dormir, baixa concentração no trabalho e na escola, falta de concentração, aptidão para tomar decisões”.

Este profissional utiliza o tratamento de óleos essenciais para atingir cada uma dessas finalidades. “Então eu tenho um número mágico, uma lista, uma lista muito grande de tratamentos e de procedimentos que podem ser feitos com óleos essenciais. Cheirando os óleos, eu faço a inalação individual, ou eu costumo fazer uma mistura de mais de três óleos. Quando misturo dois ou três óleos, eu tenho a chamada sinergia, que é a junção, a mistura desses óleos”.

Quais exactamente? “Nós estamos a falar basicamente de desequilíbrios na base do emocional, existe alguma causa que desencadeia um ponto de equilíbrio, por exemplo: depressão, alergia, hipertensão, cefaleia crónica, dermatite – que são doenças que vêm de desequilíbrios emocionais”.

“Então eu utilizo um processo de aromaterapia com uma pessoa que já tem um ritmo de vida nesse nível. Eu consigo equilibrá-la, eu consigo tirá-la daquele momento de stress, do estado de dormir que levaria a uma depressão”.

“Sei que isso parece mágica. Mas é exactamente assim que acontece ao inalar o óleo essencial. Nós activamos uma área do cérebro que está no sistema límbico, em 30 segundos activado envia a notícia em forma de impulsos eléctricos ao corpo inteiro. Daí eu faço produção de moléculas que corpo não está a produzir. Auxilio no metabolismo, mudanças de comportamento, redução de níveis como stress, tensão, etc. Tudo através de moléculas que são inaladas e levam a notícia até ao cérebro. Então a aromaterapia trata cheirando, apenas isto”.

Gostarias de escrever para a Chocolate? Aceitamos sempre colaborações com convidados da nossa comunidade e estamos sempre à procura de novos colaboradores. Entra em contacto connosco e vamos discutir as tuas ideias.

Adriana Brito esclarece acerca do procedimento terapêutico de aromaterapia
Publicidade
Publicidade