Publicidade

A grande entrevista com: Urano

Publicidade

Elyzandra Deonara é uma jovem bastante forte, com muitos sonhos ainda por realizar, por se tratar mesmo de uma “menina” de apenas 18 anos, que com bastante determinação e resiliência conseguiu ultrapassar preconceitos e bullying devido a ser albina.

A grande entrevista com: Urano

É vista pelos amigos como conselheira, humilde, com empatia para dar e vender também. Alguém que sabe reconhecer os seus erros e assumi-los, que gosta de fazer as pessoas acreditarem em si próprias, uma influencer, diga-se!

Publicidade
A grande entrevista com: Urano

Elyzandra Deonara assume-se por “Urano”. Segundo ela, esta alcunha vem infelizmente de uma história triste. Antes de ser só “Urano” era “Empty Urano” (que significa “Urano Vazio” em inglês), “porque  estava a passar por uma fase depressiva e quis desligar-me do mundo”, então procurou um outro planeta de que pouco ouvia.

A grande entrevista com: Urano

“Gostei de Urano e determinei-o meu. Mas graças a Deus a fase mais profunda da depressão passou e Deus colocou muita gente maravilhosa na minha vida, hoje Urano não é mais vazio, está cheio de pessoas que eu amo”, explicou, de forma descontraída e confiante.

A grande entrevista com: Urano

Durante uma conversa com a Chocolate Lifestyle, Urano, que é gestora de Conteúdos na Zap Viva e modelo comercial,  contou um pouco da sua infância e da forma como “venceu”  algumas barreiras impostas pela sociedade por ser albina.

1- Como foi a sua infância?

A minha infância… bom, eu não gosto muito de falar sobre este assunto, mas cá vai. Graças a Deus nunca me faltou comida, roupas, casa, escola, educação familiar, amor. Porém, digo que em muitos momentos (os que eu achava mais essenciais) – e que já concluí que são essenciais na vida de qualquer criança ou adolescente – foi a presença paternal, fui durante algum tempo filha de pais separados, tive uma infância muito agitada e que me causou muitos danos psicológicos, hoje graças a Deus os meus pais estão novamente juntos e estão felizes.

Por causa de todas estas coisas, tornei-me muito madura já desde tenra idade, o que me ajudou a passar por cima de muita coisa.

2- Enquanto criança, como conseguiu lidar pelo facto de ser diferente das demais crianças?

Bem, a minha mãe sempre fez questão de me fazer entender que eu era e sou normal como toda e qualquer criança, ela educou-me da mesma maneira que educou o meu irmão mais novo e nunca me tratou como diferente, então eu sentia-me normal. Se eu errasse ela repreendia e dava os devidos correctivos.

Há gente que pensa que a minha mãe nunca me deu nem uma palmada, mas enganam-se. Sempre lidei bem com outras crianças e parecia que elas nem prestavam atenção a esse pormenor.

A grande entrevista com: Urano

3- Alguma vez pensou em desistir de frequentar a escola devido ao preconceito?

Não, nunca pensei em deixar de ir à escola, até porque eu desde muito cedo criei um escudo contrara más energias passadas pelos outros.

4-Já foi vítima de discriminação ou qualquer tipo de bullying por conta do albinismo?

Já sofri preconceito (bullying) directo uma vez e indiretamente várias vezes e soube lidar com isso muito bem.

A grande entrevista com: Urano

5- Como olha para a questão da conscientização do albinismo?

É algo que ainda está muito cru, como se diz na gíria, porque da mesma forma que não se dá muito a pessoas com essa particularidade, muitos albinos não correm atrás por se sentirem oprimidos. E muitos estão à espera de ser destacados para lutarem, só que isso não funciona dessa maneira.

Além do mais ainda não se encontram albinos ou outras pessoas destacadas compadecidas pela causa a lutarem de verdade para a aceitação no seu todo.

Eu particularmente nunca esperei ser destacada para lutar e nem nunca esperarei por isso, luto agora porque é devagar que se vai longe.

6- E da auto-aceitação?

Muitas pessoas ainda acham que auto-aceitação é achar-se bonito/a. Mas o real sentido é “estar contigo mesmo quando todos estão contra ti”, amar-se, cuidar de si mesmo, deixar que as opiniões dos outros sejam apenas para ajudar naquilo que não nos apercebemos e não fazer delas lei para a nossa vida.

A grande entrevista com: Urano

7- Para si como está a sociedade angolana em relação a consciencialização do albinismo?

Como eu disse, a situação ainda é muito recente e só comecei a ouvir algumas vozes no ano de 2020, quando me tornei digital influencer.

Os albinos continuam a não ser ouvidos. Mas eu estou a fazer de tudo para que isso mude, sozinha não serei capaz mas sei que se eu der o primeiro passo, mais irão levantar-se e lutar junto.

8- Como superou o preconceito de albinismo?

Não foi uma questão de superar porque nunca me afectou. Tudo é uma questão de fazer ouvidos de mercador e focar-me nos meus objectivos, a boca das pessoas não me vai pagar contas nem dar-me o futuro que programei para mim.

A grande entrevista com: Urano

9- Sempre pensou em trabalhar como modelo?

Sim, sempre foi uma vontade minha e que eu pensei que nunca fosse realizar.

10- Sendo  modelo comercial, foi fácil a aceitação ?

Nós não agradamos a todos, mas ser albina nunca me impediu de cumprir com nada que tenha programado dentro desse ramo.

A grande entrevista com: Urano

11- Como é sua rotina e dia a dia com o albinismo?

Eu vivo o meu dia a dia de forma normal, como uma jovem normal, que trabalha e estuda.

Por eu não sofrer tanto preconceito, sofro mais assédio, o tipo de albinismo que tenho é um dos poucos casos raros e por causa disso não tenho a pele enrugada ou problemas na pele.

SOU Mulher e os homens acham que por ser uma Albina “bonita e diferente dos outros” (aos olhos deles)- e que todos os albinos são carentes de atenção – têm o direito de elogiar de qualquer forma, falar de qualquer maneira e nós devemos aceitar. Só que se enganam.

12- Quais os maiores desafios?

Eu não encaro nada como um desafio e sim como treino, para me tornar mais forte. Por isso não há desafios.

A grande entrevista com: Urano

13- De tão jovem que é e fazendo tanta coisa, considera-se um prodígio?

Na verdade não, (risos), mas me considero batalhadora e persistente.

14- É criadora de conteúdo há quanto tempo?

Sou criadora de conteúdo há 11 meses.

A grande entrevista com: Urano

15- Na Zap, qual foi o programa que idealizou em termos de conteúdos?

Bom, em termos de conteúdo sempre me fixei no entretenimento e Deus abençoou-me e colocou-me onde sempre quis estar, com uma equipa fantástica. De forma pessoal sempre idealizei um programa que desse voz aos jovens e a sua criatividade num todo.

16- Em televisão qual é sua meta?

Ser apresentadora de um programa meu, que desse voz aos jovens dos 15 aos 25 ou mais anos de idade. E que tivesse mesmo a ver com a juventude angolana. Com jogos e tudo que há de direito.

A grande entrevista com: Urano

17- O  que gostaria de mudar em televisão?

O facto de não explorarem a juventude desde tenra idade, temos talentos natos no nosso país, mas ainda assim a televisão angolana não foca nisso, mas olham para as celebridades mirins de outros países e aplaudem, mesmo que não permitam aos seus florescer.

18- Aceitaria o desafio de apresentar um dia um programa?

Aceitaria com muito prazer e esforçar-me-ia para honrar isso.

A grande entrevista com: Urano

19- Para além de modelo comercial e criadora de conteúdos, é também influencer, de que maneira consegue  influenciar a vida dos jovens, às vezes com o mesmo histórico que o seu?

Acredito que só o facto de eu conquistar tudo o que conquistei até hoje e em tão pouco tempo, já serve como fonte de inspiração para muitos jovens.

20- Qual é a sua área de formação?

Eu estou no último ano do médio e estou a frequentar o curso de Ciências Económicas e Jurídicas, pretendo licenciar-me em Ciências da Comunicação.

A grande entrevista com: Urano

21- Qual é o seu maior sonho?

Tenho o sonho de ser referência para as pessoas, ser alguém que inspira outros a não desistirem dos seus sonhos.

22- Cor favorita?

Não tenho( risos), eu amo todas, sou um arco-íris.

A grande entrevista com: Urano

23- Por ser modelo, é muito vaidosa?

Sou vaidosa, mas não por ser modelo, sou assim desde pequena.

24- O que não pode faltar no seu guarda-fato?

Não pode faltar nada, tudo é essencial, o importante é eu estar vestida e sou, (do meu jeito), minimalista.

A grande entrevista com: Urano

25- Urano não vive sem?

Eu não vivo sem o meu sorriso.

26- Um país de sonho?

Na verdade não tenho, porque sonho viajar para várias partes do mundo e conhecer culturas e paisagens diferentes.

A grande entrevista com: Urano

27- O que a motiva todos os dias?

Sou motivada todos os dias porque sei que sempre vou sentir-me satisfeita e orgulhosa de mim com cada conquista e saber que moverei outros jovens.

28- O que gostaria de dizer às pessoas  que possuem albinismo também?

Movam-se, lutem, corram atrás e párem de se prender aos padrões.

A grande entrevista com: Urano

29- O que gostaria de mudar no mundo?

O facto das pessoas acharem que têm o direito de deixar cair os mais fracos, para subirem de nível e o facto das pessoas quererem meter-se na vida de outrem.

30- Por quê?

Primeiro, porque não acho justo e cada um escolhe o quer para si e para a sua vida.

31- Como gostaria de ser lembrada um dia na sociedade?

Como a albina que lutou e nunca desistiu, mesmo quando tudo parecia desmoronar.

Gostarias de escrever para a Chocolate? Aceitamos sempre colaborações com convidados da nossa comunidade e estamos sempre à procura de novos colaboradores. Entra em contacto connosco e vamos discutir as tuas ideias.

A grande entrevista com: Urano
Publicidade
Publicidade