Publicidade

A atracção da imperfeição: “a forma como aceitamos os outros decorre da forma como nos aceitamos”

Publicidade

Todos nós conhecemos pessoas que parecem ser boas em tudo. Desportos, música, matemática – eles parecem ter a habilidade e aptidão para fazer tudo.

A atracção da imperfeição: “a forma como aceitamos os outros decorre da forma como nos aceitamos”

Mas antes de fazermos suposições sobre o quão longe as suas realizações podem levá-los, ou quão grandiosas as suas vidas devem ser, considere como outras pessoas reagem a elas. 

Publicidade

Há uma grande diferença entre admiração e afecto; entre admiração e aceitação. E não há nada que nos assegure de que o talento de alguém o torne digno de confiança. De facto, quando se trata de atracção interpessoal, as pesquisas indicam que podemos estar mais inclinados a aceitar o imperfeito.

Jia Wei Zhang descobriu que a forma como aceitamos os outros decorre da forma como nos aceitamos. Estudando a ligação entre auto-compaixão e aceitação, eles descobriram que uma crescente aceitação das próprias imperfeições aumenta a aceitação das imperfeições dos outros, incluindo parceiros românticos.

Além da aceitação, algumas pessoas são realmente atraídas por outras que não são perfeitas. Há algo que sentimos em relação aos outros que, como nós, deixam algo a desejar numa ou mais categorias. Físico ou financeiro, engraçado ou aborrecido – ninguém é perfeito. 

Alguém pode não ser bom com a dança, mas sempre estar disposto a ajudar. Bons falantes nem sempre são óptimos ouvintes. Muitas pessoas compensam as deficiências capitalizando outras características que são encorajadoras e cativantes.

Algumas pesquisas indicam uma relação potencial entre emoção e imperfeição. Pesquisadores estudaram o impacto das falhas e qualidades do parceiro nos relacionamentos românticos. Consistente com a Teoria da Intensidade Emocional, eles descobriram, entre outras coisas, que o afecto positivo em relação a um parceiro romântico foi diminuído por uma pequena falha significativa; mantido como intenso por uma falha moderadamente importante; e diminuído por uma falha muito importante.

Uma coisa que podemos aprender com a pesquisa é que a imperfeição não é necessariamente um desvio; pode realmente ser algo que nos atrai através do reconhecimento da humanidade compartilhada. Abrandar as impressões através da emoção, tanto sobre nós mesmos quanto sobre os outros, ajudar-nos-á a tomar decisões educadas e perspicazes interpessoalmente sobre quando e sob quais circunstâncias abraçar a imperfeição do parceiro.

Gostarias de escrever para a Chocolate? Aceitamos sempre colaborações com convidados da nossa comunidade e estamos sempre à procura de novos colaboradores. Entra em contacto connosco e vamos discutir as tuas ideias.

A atracção da imperfeição: “a forma como aceitamos os outros decorre da forma como nos aceitamos”
Publicidade
Publicidade